About

 

A relevância do papel do autor de «Memórias em Voo Rasante» nos acontecimentos políticos da África Austral foi sublinhada pelo Professor Chester Crocker, académico norte-americano com importantes funções na Administração do Presidente Reagan que, no seu livro «High Noon in Southern Africa», escreveu:

    

“Uma das figuras chave do Presidente Machel para as missões mais delicadas foi Jacinto Veloso…”

  

“Ele parecia quase magneticamente atraído pelas missões políticas mais delicadas…”

    

“Visitante frequente de Luanda, Veloso avaliava regularmente a situação do MPLA e fez tudo o que podia no sentido de fortalecer os argumentos a favor da paz…”

       

“Antes e depois do Acordo de Nkomati, assinado em Março de 1984, Machel escolheu Veloso para liderar a delegação ministerial moçambicana nas negociações com os sul-africanos…”

        

“Costumava admirar a maneira como ele trabalhava. Veloso parecia nunca depender de ordens ou instruções escritas…”

   

“Sabia-se que a discussão tinha chegado a um ponto importante quando Veloso, despercebidamente, puxava pelo seu pequeno livro de notas…”

           

        

SOBRE O AUTOR DE «MEMÓRIAS EM VOO RASANTE»

Jacinto Soares Veloso desempenhou vários cargos, funções partidárias e governativas, desde a independência de Moçambique, tendo sido membro da Comissão Política do Partido Frelimo, que voluntariamente deixou para dar lugar aos mais novos. Continua membro do Comité Central, lugar confirmado por votação secreta no oitavo Congresso do Partido, realizado de 13 a 17 de Junho de 2002, na cidade da Matola. É membro da Frelimo desde 1963.

– Em 2005 foi eleito membro do Conselho Nacional de Defesa e Segurança pela Assembleia da República.
– Em Junho de 2003 foi eleito presidente da Câmara de Comércio de Moçambique e reeleito, em 2006, até 2009.
– De 1998 a 2000 exerceu a função de Comissário Geral da Expo 2000, em Hannover.
– De 1997 a 1998 desempenhou as funções de Comissário Geral para a Expo 98, em Lisboa.
– Em finais de 1994 deixou o governo, passando à reforma.
– De 1984 a 1994 foi ministro da Cooperação Internacional. Em finais de 1994, acumulou a pasta de ministro da Informação.
– De 1983 a 1984 foi ministro dos Assuntos Económicos junto do Presidente da República.
– De 1975 a 1983 foi ministro da Segurança do Estado e director nacional dos Serviços de Informação.
– Em 1979 promoveu a criação do Clube Desportivo Estrela Vermelha pela fusão dos clubes da Malhangalene e do Centro Popular.
– De 1963 a 1975 esteve directamente envolvido em tarefas da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO).
– A 12 de Março de 1963 abandonou a Força Aérea Portuguesa pilotando um avião militar Harvard T-6, tendo aterrado em Dar-es-Salaam onde pediu asilo político juntamente com João dos Santos Ferreira.

Principais Funções Que Assumiu 

– Desempenhou inúmeras missões como enviado especial do Presidente da República, no quadro da cooperação entre Estados, para o estabelecimento da paz em Moçambique, fim do apartheid na África do Sul, independência da Namíbia e paz em Angola;
– Foi deputado da Assembleia Popular e membro da sua Comissão para as Relações Exteriores;
– Fundou a primeira escola nacional de pilotos-aviadores para a Força Aérea de Moçambique;
– Após a independência, em 25 de Junho de 1975, foi membro do Estado-Maior das Forças Armadas, tendo sido o primeiro comandante da Força Aérea de Moçambique;
– Foi membro da Comissão Militar Mista do Governo de Transição (de Setembro de 1974 a 25 Junho de 1975);
– Foi membro da delegação da FRELIMO nas negociações com Portugal que tiveram lugar em Lusaka, na Zâmbia, em 1974, e que culminaram com a celebração dos acordos para a independência de Moçambique.
– Regressou a Moçambique no dia 11 de Setembro de 1974, após 11 anos de exílio, integrado num grupo de oficiais das Forças Populares de Libertação de Moçambique (FPLM), com a responsabilidade de criar condições favoráveis para o estabelecimento do Governo de Transição para a Independência Nacional.

Participou em várias comissões inter-ministeriais, sendo as principais:

– Coordenou a participação do Governo de Moçambique na SADC (Comunidade de Desenvolvimento da África Austral) a nível do seu Conselho de Ministros, a partir de 1983 e por uma dezena de anos;
– Participou na concepção e dirigiu a implementação de um sistema de gestão do Programa de Governo para a Cooperação Internacional, incluindo a criação de um mecanismo de controlo da sua execução;
– Foi membro da Comissão das Relações Económicas Exteriores do Conselho de Ministros, até 1994;
– Foi membro da Comissão para a Paz, Reconstrução e Reconciliação Nacional (1992-1994), que acompanhou e apoiou as negociações em Roma entre o governo e a Renamo;
– Dirigiu a programação, negociação, organização e execução da operação de troca de prisioneiros de guerra entre Angola e a África do Sul, em Setembro de 1987, realizada em Maputo;
– Foi chefe da equipa do governo que negociou o Acordo de Nkomati de Boa Vizinhança e Não Agressão com a República da África do Sul (1983-1984);
– Presidiu ao Conselho Nacional de Prevenção e Luta Contra as Calamidades Naturais;
– Dirigiu a Operação Zero para a troca da moeda colonial pelo Metical, de meados de Junho de 1979 a 16 de Junho de 1980;
– Foi director da Comissão Nacional de Abastecimento, de 1977 a 1978, e logo a seguir presidente do Conselho Nacional de Abastecimento até à sua extinção.

Formação Académica e Profissional

Foi instrutor de pilotagem de aviões Harvard T-6 e piloto de ensaio do avião Dornier-27.
Entre 1956 e 1960 frequentou a Academia Militar, em Lisboa e Sintra, nos cursos de Artilharia e de Aviação Militar (piloto-aviador), em aviões a hélice e a jacto.
Frequentou a Faculdade de Medicina, na Universidade de Lisboa, entre 1955 e 1956.
Até 1955 frequentou as escolas primária e secundária, em Lourenço Marques (Maputo).

Condecorações

Ao major-general Jacinto Veloso, agora na reserva, foram concedidas as seguintes condecorações:

– Ordem Eduardo Mondlane do 1º Grau;
– Medalha do 20º Aniversário da Frelimo;
– Medalha de Veterano da Luta de Libertação Nacional.

Foi ainda condecorado pelo Presidente da República Federativa do Brasil com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul.

Nasceu em 11 de Agosto de 1937 e é casado com Teresa Gaivão Veloso. Têm três filhos: Victor, Miriam e Eduardo.

                                                                                              O Editor

Anúncios

2 Responses to About

  1. João Pinheiro diz:

    Camarada de armas
    estive em Moçambique de 1973 a 1975 sob a bandeira portuguesa. Voei integrado em DC3 e C47. Fiz outros aviões convencionais. Ao saber do seu livro, pedi a um amigo que está em Maputo se o conseguia comprar para mim. Não lhe foi possível. Gostava que me dissesse como obter um exemplar… Grato, e votos de felicidades. Hei-de voltar a Moçambique, essa terra maravilhosa que me enfeitiçou até hoje, sentir aquele cheiro de terra molhada, enfim aquele arco-iris de cores por todo o território tão pequeno que não tem fim… Um forte abraço e muita saúde. João Pinheiro

  2. O livro foi reeditado e existe à venda nas principais livrarias de Maputo. Grato pelas palavras amáveis, Jacinto Veloso

%d bloggers like this: